Como utilizar a montagem eq1 com uma câmera (de preferência DSLR ou Cannon alterada) para fotos de céu profundo.

Neste artigo, eu tentei falar de forma bem simples, sem tentar deturpar muito os conceitos (espero que tenha conseguido), como o assunto é muito detalhado as vezes, qualquer dúvida pode ser debatida nos comentários.

Uma outra utilização da montagem equatorial que acompanhou meu telescópio maksutov cassegrain 90mm é a possibilidade de “acoplar” uma câmera para tirar fotos de objetos de céu profundo (nebulosas, constelações, etc), mas por qual razão faríamos isto?

Primeiro temos que entender que o céu “se move” conforme a rotação da terra, por esta razão, se tirarmos uma foto de por exemplo um minuto de exposição (dar o clique e a máquina começar a fotografar, e após um minuto, damos outro clique para que ela encerre a fotografia), perceberemos uma espécie de “arrasto” nas estrelas e demais objetos celestes, conforme este exemplo:

Veja exemplo de “arrasto” das estrelas:http://www.astrobin.com/full/161439/B/

Aí surge um dilema: se quisermos fotografar este tipo de efeito, chamado de “startrails” ou rastro de estrelas, teremos facilmente sucesso, pois basta efetuar fotografias de longa exposição (1min,10min,1h, etc), entretanto, se quisermos fotografar com destaque um certo lugar do céu sem esse efeito?

10421401_671994166279732_2060341644224369800_n 10492374_671994146279734_8207914771967385135_n 11048711_671994186279730_1755471265372426909_n

Objetos menos luminosos precisam de um tempo maior de captura (para “dar tempo” de entrar mais luz), ou seja, quanto mais segundos, minutos (ou até horas), conseguirmos deixar a câmera captando certa área do céu, mais detalhes vão surgir e melhor será a definição da fotografia.

Veja um exemplo de uma exposição de alguns segundos, como a definição melhora, por exemplo, na região das 3 marias:

http://www.astrobin.com/full/157570/0/

Para evitar o efeito de “arrasto” dos objetos, podemos acoplar a nossa câmera na montagem EQ1, para compensar o efeito de rotação da terra, e assim, a câmera manter o foco na mesma área, uma adaptação desse tipo pode ser feita conforme imagens em anexo (a adaptação e fotos são da MEIRE RUIZ, aqui do facebook, que gentilmente tirou as fotos da adaptação dela e permitiu a publicação aqui).

Além do adaptador, será necessária a motorização da montagem, bem como um alinhamento razoável (veja este vídeo que fala sobre alinhamento: https://www.youtube.com/watch?v=yEFybeO_Tv0 ).

Aproveitando o conjunto, você pode tentar um ajuste mais fino do alinhamento, através do método DRIFT:http://observatoriolupus.blogspot.com.br/…/alinhamento-pelo…

Aproveito também para compartilhar esta outra dica:

http://astronomiaemvix.blogspot.com.br/…/desmistificando-o-…

Lembrando que quanto maior o campo, mais tempo o efeito de rotação demora para aparecer, por exemplo, uma lente objetiva de 18mm leva mais tempo para apresentar arrasto nas fotos do que uma objetiva de 200mm (nesta, com menos de 5 segundos já dá arrasto, enquanto na de 18mm é possível fazer fotos de até 30s, sem apresentar um arrasto considerável).

Até a próxima,

Edinaldo Oliveira

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s