Astrofotografia: Fotografar ou filmar? Qual a melhor opção?

Resolvi fazer este post devido à uma confusão por vezes muito comum: quando falo que vou fazer algumas astrofotografias, ficam sem entender por qual razão eu faço filmagens ao invés de tirar fotografias convencionais, do tipo “bateu, saiu”.

Antes de continuar, vamos entender como funciona uma filmagem.

“Frames ou quadros por segundo (FPS) é uma medida de como o movimento de vídeo é exibido. O termo se aplica igualmente ao vídeo de filme e vídeo digital. Cada quadro é uma imagem estática.

framerate_hfr_fps

Meio tecnológico pode ser usado para sugerir a ilusão de movimento. Para criar a percepção de movimento, o cérebro automaticamente adiciona ou preenche informações que estão faltando. Ele faz isso primeiro através de um conceito conhecido como persistência da visão, onde um estímulo visual continua a ser registrado pelo cérebro por um tempo muito curto após o estímulo terminar. Em segundo lugar, ele aproveita o que é conhecido como a função PI. Por exemplo, se duas luzes adjacentes alternadamente piscam, vemos uma única luz de deslocamento para frente e para trás. Isso ocorre porque tendemos a preencher lacunas entre objetos espaçados de visão. Elas são exploradas por imagens de movimento, que consistem em sucessivos quadros rápidos, ainda no qual os objetos “móveis” são substituídos uma muito curta distância um do outro.

Devido a esses fenômenos, quanto maior o FPS, mais suave o movimento aparece. Em geral, o FPS mínimo necessário para evitar um movimento é cerca de 30 FPS. Para conteúdo de grande movimentação, uma sessão de codificação aproximadamente 60 FPS pode ser mais útil.

Fonte: https://support.microsoft.com/en-us/kb/269068/pt-br?wa=wsignin1.0

Leia mais sobre o assunto em:

Resumindo: podemos considerar um frame cada imagem que registramos com uma máquina fotográfica , mas se ao invés da máquina fotográfica, utilizarmos uma filmadora, poderíamos registrar vários frames de um objeto (muito mais rapidamente do que tirar várias fotos).

Ou seja “[…]quando você senta para assistir a um filme ou vídeo de qualquer tipo, você não está realmente assistindo a um movimento. O que acontece é que você está vendo uma sequência de imagens estáticas passando em sequência e em velocidade, criando uma ilusão do movimento. […]”(Fonte: https://criticosdecinemas.wordpress.com/2014/01/06/glossario-quadros-por-segundo/)

muybridge_race_horse_gallop

muybridge_race_horse_animated

Mas qual a vantagem disto tudo para a astrofotografia? Observem a comparação das fotos abaixo:

Comparando quantidade de frames na captura
Comparando quantidade de frames na captura – Maksutov Cassegrain 90mm

A imagem da esquerda (com um único frame) possui bem menos detalhes do que a imagem da direita (com 4.012 frames), mas porque essa diferença?

Devido à nossa atmosfera, a qualidade dos objetos observados caem bastante e consequentemente nossas capturas também sofrem, por isso, uma noite com um seeing melhor vai proporcionar melhores registros, e a filmagem é uma forma de contornar os problemas gerados por nossa atmosfera, já que quanto mais frames capturamos, mais atenuamos as falhas da captura, como um seeing ruim (já citado), uma passagem de nuvem, etc, e ampliamos os detalhes, uma vez que teremos não somente uma foto (um frame), mas 500 frames) sobrepostos, o que melhora bastante a qualidade da imagem.

DICA!! Sabe o que significa seeing? Entenda mais sobre o assunto: https://tellescopio.com.br/determinando-seeing-transparencia

Observe um vídeo utilizado para captura (veja como o planeta “balança” um pouco, como se estivéssemos vendo através da água, por exemplo), com a imagem final gerada:

Imagem final, obtida de vários frames do vídeo:

Comparando quantidade de frames na captura
Comparando quantidade de frames na captura

No entanto, existe um problema: não podemos efetuar horas de gravações com alguns objetos, por exemplo, os planetas possuem movimento de rotação em seu próprio eixo, o que geraria alguma deformação após processarmos vídeos com um tempo mais longo, diferentemente de nebulosas, que podemos fazer registros de várias horas ou até dias.

Recomendo a leitura do nosso outro artigo: Como tirar fotos planetárias sem possuir motorização?

Por exemplo, o planeta Júpiter, pelo que percebi na prática, não devemos filmar mais do que 4 minutos (mais ou menos), já saturno podemos ir além, talvez por volta de 15 minutos até, sem gerar deformações na imagem final.

Conhecendo essa limitação de tempo de gravação, entra outro fator em questão: quantos mais frames, melhor a imagem, logo, quanto mais frames a câmera fizer por segundo, melhor será nosso resultado.

Assim, um dos aspectos mais importantes de se observar no momento da captura é a capacidade de obter mais frames por segundo. Obviamente existem situações em que conseguimos efetuar gravações no máximo de frames por segundo da câmera, no entanto, imagens mais escuras tendem a necessitar de uma compensação na exposição, gain, etc, o que termina por diminuir os frames capturados em um segundo.

Atualmente utilizo uma câmera expanse color (foto abaixo), que vem se mostrando um excelente custo x benefício.

ecolor19

No site do armazém do telescópio estão vendendo câmeras da ASI, com um excelente custo x benefício: http://armazemdotelescopio.com.br/loja/index.php/astrofotografia

É isto, bons registros!

Edinaldo Oliveira

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s